Marcadores

acessos (3) Acidentes (3) Anatomia (4) Articulações (4) Artralgia (1) Artrite (11) Artroscopia (1) Artrose (3) Atrofia muscular espinhal (1) Aula (1) Avaliação (3) Backhand (1) bioimpressora (1) Bursite (1) cartilage (1) Cartilagem (2) Cervical (2) Ciclistas (1) Cifose de Scheuermann (1) cinesiologia (2) cirurgia (1) claudicante (1) CMT (1) Cobb (1) Coluna Lombar (3) Coluna Toráxica (1) Coluna Vertebral (4) Corpo Humano (8) Cotovelo (2) criança (1) Crônica (1) Curiosidades (4) Dedo em Gatilho (3) Degenerativa (1) Descobertas (1) Diabetes (3) diabética (2) Diagnóstico (11) Dicionário (1) Diconário (1) Dissecação (1) Distensão (1) Doença (13) Dor (6) Dupuytren (1) Edital (1) Elliot Krane (1) esclerose múltipla (1) Escoliose (2) Espondilite (2) Espondilolistese (2) Espondilose (2) Estiloide (1) Estudo (2) Eventos (2) exame clínico (6) Exame físico (11) Exosesqueleto (1) Fêmur (1) Fibromialgia (1) Finkelstein (1) fixadores (1) flexores (1) Forehand (1) Fratura (6) Gessado (1) Glasgow (1) Gota (1) Hérnia de Disco (1) impressão 3D (1) Inflamação (1) Joelho (12) knee (5) Lasègue (1) Lesões (11) Lombalgia (1) Lombar (2) Manguito Rotador (1) Manual (1) mão (5) marcha anormal (1) Medicina (6) Médico-Paciente (2) Mellitus (1) membros inferiores (4) Membros Superiores (2) motor (1) Movimento (3) Mulher (1) Musculoesquelética (3) Músculos (2) Nervo (5) Neurológico (2) Neurônio (1) Ombro (5) órgãos (1) ortopedia (2) Ortopédico (3) Óssos (4) Osteoartrite (4) Osteocondrite dissecantes (1) Osteocondrose (1) osteomielite (2) Osteonecrose (1) osteoporose (2) Paralisia Cerebral (2) (7) pé torto congênito (1) Perna (3) Pérolas Clínicas (1) Perthes (1) Phallen (1) Poliartrite (2) Postura (1) Postura médica (1) Prognóstico (1) prótese (3) Psoríase (1) Quadril (2) questões resolvidas (2) Recém Nascido (1) Relação (1) Reumáticas (3) Reumatóide (3) RN (1) SBOT (2) Schober (1) Sensitivas (1) Tecnologia (3) tendão (2) tendinite (3) Tenossinovite (1) TEOT (1) Testes (13) Tornozelo (2) Tratamento (4) trauma (2) Trendelenburg (1) Trigger Finger (1) Tumores (1) Túnel do Carpo (2) Ulnar (1) Úmero (1) vídeo (8) Vila Olímpica (1)

terça-feira, 26 de julho de 2016

Serotonina no Cérebro

Achados de que o cérebro usa serotonina para perpetuar os sinais
de dor crônica, nos nervos locais, pode ajudar no desenvolvimento de
medicamentos que geram menos dependência.
                 

Os neurotransmissores representam os mensageiros do cérebro. Eles são substâncias químicas que permitem que os neurônios passem sinais entre si e para outras células do corpo, o que os torna importantíssimos em nossas funções vitais. Há muitas funções e muitos neurotransmissores, mas um deles merece destaque: a serotonina.

A serotonina é um neurotransmissor produzido no tronco encefálico, no núcleo da rafe, e desempenha papel em muitas partes do organismo.

Preparando o cenário para possíveis avanços no tratamento da dor, pesquisadores da Universidade Johns Hopkins e da Universidade de Maryland relatam que eles identificaram duas moléculas envolvidas na perpetuação da dor crônica em ratos. As moléculas, afirmam os cientistas, também parecem ter um papel no fenômeno que faz com que áreas ilesas do corpo sejam mais sensíveis à dor quando uma área nas proximidades foi ferida. Um resumo da pesquisa foi publicado no jornal Neuron (jornal de neurociência).
   


"Com a identificação destas moléculas, temos alguns destinos adicionais que podemos tentar bloquear para diminuir a dor crônica", explica Xinzhong Dong, Ph.D., professor associado de neurociência na Johns Hopkins University School of Medicine e cientista de início de carreira no Howard Hughes Medical Institute.
"Nós descobrimos que a dor persistente nem sempre se origina no cérebro, como alguns tinham pensado, o qual é uma informação importante para desenhar drogas que gerem menos dependência para vencê-la"

A dor crônica que persiste por semanas, meses ou anos após uma lesão ou condição subjacente que é resolvida aflige uma estimativa de 20% a 25% da população mundial e cerca de 116 milhões de pessoas nos Estados Unidos, custando para os americanos um total de US$ 600 bilhões em intervenções médicas e perda de produtividade. Pode ser causada por qualquer coisa, seja por lesões nervosas e artrose até câncer e estresse.

Em sua nova pesquisa, os cientistas se concentraram em um sistema de nervos sensíveis à dor nas caras de ratos, conhecidos coletivamente como o nervo trigêmeo. O nervo trigêmeo é um grande pacote de dezenas de milhares de células nervosas. Cada célula é um "fio" longo com um hub em seu centro; os hubs são agrupados juntos em um cubo maior. De um lado deste cubo, três pequenos feixes de fios - V1, V2 e V3 - se ramificam. Cada pacote contém fios individuais sensíveis à dor que se dividem para cobrir um território específico da cara. Os sinais são enviados através dos fios para os hubs das células e então viajam para a medula espinhal através de um conjunto separado de pacotes. Da medula espinhal, os sinais são retransmitidos para o cérebro, que os interpreta como dor.

Quando os pesquisadores beliscaram o ramo V2 do nervo trigêmeo por um período prolongado de tempo, eles encontraram que territórios V2 e V3 foram mais sensíveis à dor adicional. Esta propagação da dor para áreas ilesas é típica daqueles que experimentam dor crônica, mas também pode ser experimentada durante lesões agudas, como quando um polegar é batido com um martelo e toda a mão fica com dor "palpitante".

Para descobrir o porquê, os pesquisadores estudaram os nervos sensíveis à dor na pele da orelha de ratos. Os ramos menores do V3 trigeminal alcançam a pele da parte inferior da orelha. Mas um conjunto inteiramente totalmente diferente de nervos é responsável para a pele da parte superior da orelha. Esta distinção permitiu aos pesquisadores comparar as respostas dos dois grupos independentes de nervos que estão em estreita proximidade um com o outro.

Para vencer a dificuldade de monitoramento de respostas nervosas, a equipe do Dong inseriu um gene no DNA de ratos para que as células nervosas sensoriais primárias se tornassem iluminadas de cor verde quando ativadas. Os nervos da cara sensíveis à dor são um subconjunto destes.

Quando as manchas da pele foram depois banhadas com uma dose de capsaicina - o ingrediente ativo da pimenta- os nervos sensíveis à dor se iluminaram em ambas as regiões da orelha. Mas os nervos V3 na  parte inferior da orelha estavam muito mais iluminados do que os da parte superior da orelha. Os pesquisadores concluíram que beliscar o ramo V2 separado mas conectado do nervo trigêmeo tinha de alguma forma sensibilizado os nervos V3 para "exagerar" diante da mesma quantidade de estímulo.

Aplicando capsaicina novamente em diferentes áreas, os pesquisadores descobriram que se iluminavam mais ramos de nervos vindo de um nervo pinçado V2 do que aqueles que vinham de um que estivesse ferido. Isto sugere que os nervos que normalmente não respondem à dor podem se modificar durante a lesão prolongada, somando-se aos sinais de dor que são enviados para o cérebro.
Sabendo a partir de estudos anteriores que a proteína TRPV1 é necessária para ativar as células nervosas sensíveis à dor, os pesquisadores observaram para a sua atividade no nervo trigêmeo. Eles mostraram que era hiperativa em ramos de nervo lesionados V2 e em ramos ilesos V3, bem como como nos ramos que se estendiam além do hub da célula do nervo trigêmeo e na medula espinhal.

A seguir, especialistas em sinalização neurológica da molécula serotonina da Universidade de Maryland, cientes de que a serotonina está envolvida na dor crônica, investigaram seu papel no estudo de ativação TRPV1. A equipe, liderada por Feng Wei, M.D., Ph.D., bloqueou a produção de serotonina, que é liberada a partir do tronco cerebral para a medula espinhal, e descobriram que a hiperatividade de TRPV1 quase tinha desaparecido.

Dong diz:

 "A dor crônica parece fazer com que a serotonina seja liberada pelo cérebro para a medula espinhal. Lá, atua no nervo trigêmeo em geral, tornando o TRPV1 hiperativo ao longo de seus ramos, inclusive fazendo com que algumas células nervosas não sensíveis à dor começassem a responder à dor. O TRPV1 hiperativo faz com que os nervos se inflamem mais frequentemente, enviando sinais de dor adicional para o cérebro."


Referências:
Central Terminal Sensitization of TRPV1 by Descending Serotonergic Facilitation Modulates Chronic Pain.
Outros autores do relatório incluem Yu Shin Kim, Liang Han, Zhe Li, Pamela LaVinka, Shuohao Sun, Kyoungsook Park e Michael Caterina da Johns Hopkins University School of Medicine; Yuxia Chu, Man Li, Ke Ren e Ronald Dubner, da Faculdade de Odontologia da Universidade de Maryland; e Zongxiang Tang, da Universidade de Nanjing de Medicina Chinesa. Neuron, 23 January 2014 doi. 10.1016/j.neuron.2013.12.011
Este trabalho foi apoiado por subsídios do National Institute of Dental and Craniofacial Research (R01DE022750, R01DE018573), o Instituto Nacional de General Medical Ciências (R01GM087369), o National Institute of Neurological Disorders and Stroke (T32NS070201), o Johns Hopkins UniversityBrain Science Institute e o Howard Hughes Medical Institute.
Caterina é um inventor de uma patente para o uso de produtos relacionados ao TRPV1, que é licenciada através da Universidade da Califórnia, San Francisco e por meio da Merck, e pode ter direito a royalties relacionados a esses produtos. Ele é um dos membros do Conselho Consultivo Científico para Hydra Biosciences, que desenvolve produtos relacionados aos canais de TRP. Esses conflitos são geridos pela The Johns Hopkins University, em conformidade com suas políticas de conflitos de interesses.
Fonte:
Johns Hopkins Medicine
Medical News Today


Nenhum comentário:

Postar um comentário