Marcadores

acessos (4) Acidentes (3) Anatomia (4) Articulações (4) Artralgia (1) Artrite (11) Artroscopia (1) Artrose (3) Atrofia muscular espinhal (1) Aula (1) Avaliação (3) Backhand (1) bioimpressora (1) Bursite (1) cartilage (1) Cartilagem (2) Cervical (2) Ciclistas (1) Cifose de Scheuermann (1) cinesiologia (2) cirurgia (2) claudicante (1) CMT (1) Cobb (1) Coluna Lombar (3) Coluna Toráxica (1) Coluna Vertebral (4) Corpo Humano (8) Cotovelo (2) criança (1) Crônica (1) Curiosidades (4) Dedo em Gatilho (3) Degenerativa (1) Descobertas (1) Diabetes (3) diabética (2) Diagnóstico (12) Dicionário (1) Diconário (1) Dissecação (1) Distensão (1) Doença (13) Dor (6) Dupuytren (1) Edital (1) Elliot Krane (1) esclerose múltipla (1) Escoliose (2) Espondilite (2) Espondilolistese (2) Espondilose (2) Estiloide (1) Estudo (2) Eventos (2) exame clínico (7) Exame físico (12) Exosesqueleto (1) Fêmur (1) Fibromialgia (1) Finkelstein (1) fixadores (1) flexores (1) Forehand (1) Fratura (7) Gessado (1) Glasgow (1) Gota (1) Hérnia de Disco (1) impressão 3D (1) Inflamação (1) Joelho (12) knee (5) Lasègue (1) Lesões (11) Lombalgia (1) Lombar (2) Manguito Rotador (1) Manual (1) mão (5) marcha anormal (1) Medicina (6) Médico-Paciente (2) Mellitus (1) membros inferiores (4) Membros Superiores (2) motor (1) Movimento (3) Mulher (1) Musculoesquelética (3) Músculos (2) Nervo (5) Neurológico (2) Neurônio (1) Ombro (6) órgãos (1) ortopedia (2) Ortopédico (3) Óssos (4) Osteoartrite (4) Osteocondrite dissecantes (1) Osteocondrose (1) osteomielite (2) Osteonecrose (1) osteoporose (2) Paralisia Cerebral (2) (7) pé torto congênito (1) Perna (3) Pérolas Clínicas (1) Perthes (1) Phallen (1) Poliartrite (2) Postura (1) Postura médica (1) Prognóstico (1) prótese (3) Psoríase (1) Quadril (2) questões resolvidas (2) Recém Nascido (1) Relação (1) Reumáticas (3) Reumatóide (3) RN (1) SBOT (2) Schober (1) Sensitivas (1) Tecnologia (3) tendão (2) tendinite (3) Tenossinovite (1) TEOT (1) Testes (14) Tornozelo (2) Tratamento (4) trauma (2) Trendelenburg (1) Trigger Finger (1) Tumores (1) Túnel do Carpo (2) Ulnar (1) Úmero (1) vídeo (8) Vila Olímpica (1)

segunda-feira, 9 de maio de 2016

Espondilose cervical (artrose cervical)




A dor cervical é extremamente comum.
 Ela pode ser causada por muitos fatores e é mais, frequentemente, associada com o envelhecimento.
Tal como acontece com o resto do corpo, os ossos do pescoço (coluna cervical) lentamente se degeneram com a idade.
Isso, muitas vezes, leva à artrose ou osteoartrite.
A artrose do pescoço é chamada espondilose cervical ou cervicoartrose.
Espondilose cervical é a degeneração das articulações da coluna cervical.
A condição ocorre mais freqüentemente com a idade. Mais de 85% das pessoas com mais de 60 anos são portadoras de cervicoartrose.

Embora seja uma forma de artrose, a espondilose cervical raramente se torna uma doença incapacitante.
Compreender a estrutura da sua coluna cervical e como ela funciona pode ajudar você a entender melhor a espondilose cervical.

Causas


Degeneração do disco e projeções ósseas (osteófitos)



Na coluna, a artrose pode aparecer quando o disco degenera e perde o seu teor de água. Em crianças e adultos jovens, os discos são muito hidratados, isto é, têm alto teor de água. Com o envelhecimento, os discos começam a secar e a murchar. Este problema cria um colapso dos espaços intervertebrais pela perda da altura dos discos nesses espaços.

Como as superfícies articulares vertebrais estão cobertas por cartilagem, elas experimentam maior pressão, e, também, começam a se degenerar e a desenvolver osteoartrite, semelhante ao que ocorre com a cartilagem articular do quadril ou do joelho.

Se a cartilagem se desgasta completamente, ela pode levar ao atrito do osso subcondral contra outro osso desgastado. Para compensar a perda da cartilagem, o corpo vertebral reage ao gerar novas superfícies articulares nos ossos para ajudar a suportar o peso das vértebras. Com o tempo, este crescimento ósseo adicional chamado osteófito - pode reduzir o espaço (estenose) por onde passam os nervos.

(Esquerda) Vista lateral de uma vértebra cervical e disco saudável (Direito) A degeneração do disco e sofreu colapso
Fatores de Risco

Vários fatores aumentam o risco de espondilose cervical. Todos estes têm sido associados ao aumento do risco de dor cervical e espondilose:
• Genética: Se a sua família tem uma história de dor cervical.
• Fumar: claramente ligado à dor cervical.
• Ocupação: trabalho com muitos movimentos do seu pescoço e cabeça.
• Questões de saúde mental: depressão, ansiedade.
• Lesão / trauma: acidente de carro ou acidentes de trabalho (quedas, acidentes de   trajeto...)

Os sintomas

A dor causada pela espondilose cervical pode ser leve ou grave. A dor, por vezes, é agravada olhando para baixo ou para cima por muito tempo, ou durante atividades como dirigir ou ler um livro. Ela  melhora com o repouso.

Os sintomas adicionais incluem:
• dor e rigidez no pescoço (pode piorar com a atividade);
• dormência e fraqueza nos braços, mãos e dedos;
• dificuldade de caminhar, perda de equilíbrio ou fraqueza nas mãos;
• espasmos musculares no pescoço e ombros;
• dores de cabeça;
• ruídos / estalos ou sensação de trituração no pescoço com o movimento.

Exame Médico

Determinar a origem da dor é essencial para recomendar o tratamento adequado e a reabilitação. Portanto, um exame completo é necessário para determinar a causa da dor cervical.

O seu médico irá fazer uma história completa das dificuldades que você está tendo com seu pescoço.
Seu médico pode lhe perguntar sobre outras doenças ou lesões que aconteceram seu  pescoço. As perguntas podem incluir: Quando sentiu a sua dor cervical? Você já sentiu essa dor antes? Quando o seu pescoço dói, com que freqüência e por quanto tempo dói? Existe alguma coisa que melhora ou piora a dor? Você estava sempre envolvido em um acidente ou sofreu uma lesão na coluna cervical? Você já foi tratado para dor cervical?

Um exame físico completo inclui a coluna cervical,os ombros, os braços e muitas vezes as pernas. Os testes podem incluir a força muscular, sensibilidade tátil, os reflexos neurológicos (C5,C6 e C7), o fluxo de sangue, a mobilidade do pescoço e dos braços, e também como você caminha. O seu médico pode palpar o seu pescoço, seus ombros, e explorar os pontos de pressão dolorosa ou glândula aumentada (tireoide).

Exames

O seu médico pode completar a sua avaliação com exames de sangue e, se necessário, consultar outros médicos especialistas. Outros exames que podem ajudar o seu médico confirmar o diagnóstico incluem:

Radiografias

Estes estudos tradicionalmente são um primeiro passo na formação de imagens da coluna. As radiografias mostram alterações devido ao envelhecimento, como a perda de altura ou abaulamento dos discos.

Imagem por Ressonância Magnética (RM)
Este estudo pode criar melhores imagens dos tecidos moles, como músculos, discos, nervos e medula espinhal.

A tomografia computadorizada (TC)
Este estudo de raios-X  especializado permite uma avaliação precisa dos ossos das articulações, dos forames de conjugação e do canal medular.

Mielografia

Este estudo de raios-X específico envolve a injeção de um contraste dentro do canal espinal. Isto permite uma avaliação cuidadosa do canal espinhal e as das raízes nervosas.

A eletromiografia (EMG)
Estudos de condução nervosa podem ser realizados por outro médico para possíveis danos ou nervos comprimidos.

Tratamento

O tratamento não cirúrgico

Fisioterapia. O fortalecimento e o alongamento dos músculos enfraquecidos normalmente é o primeiro tratamento indicado. Seu fisioterapêuta também pode usar a tração cervical (tração no pescoço) e a terapia postural. Programas de fisioterapia variam, mas geralmente duram 6-8 semanas. As sessões são programadas duas ou três vezes por semana.

Drogas
Várias drogas podem ser utilizadas em conjunto na primeira fase de tratamento da dor e da inflamação.
• Paracetamol. Dor leve muitas vezes é aliviada por paracetamol.
• Os anti-inflamatórios não esteróides (AINEs). Esses medicamentos são frequentemente prescritos com acetaminofeno, como o ibuprofeno e o naproxeno, e são considerados medicamentos de primeira linha para a dor  cervical.
Eles tratam a dor e a inflamação, e podem ser prescritos por um número de semanas, dependendo do problema específico. Outros medicamentos para a dor podem ser considerados se você tem contraindicações graves para os AINEs, ou se sua dor não está bem controlada.
• relaxantes musculares. Essas drogas tais como ciclobenzaprina ou carisoprodol também são utilizadas no caso de espasmos musculares dolorosos.

Colar cervical. Estes colares restringem o movimento do pescoço e permitem que os músculos do pescoço repousem. Colares macios só devem ser utilizados por curtos períodos de tempo, pois o uso prolongado pode diminuir a força dos músculos do pescoço.

Gelo, calor, outras modalidades. O uso cuidadoso de gelo, calor, massagem e outros tratamentos locais podem ajudar a aliviar os sintomas.

Injeções de corticóide. Muitos pacientes encontram alívio da dor em curto prazo com injeções de esteróides. Vários tipos de essas injeções são realizados rotineiramente.

Os procedimentos mais comuns para a dor cervical incluem:

O bloqueio peridural cervical. Neste procedimento, um medicamento anestésicos esteróides é injetado dentro do espaço adjacente ao processo espinhoso (espaço " epidural"). Este procedimento normalmente é usado para a dor cervical e / ou dor no braço, que pode ser causada por um disco cervical herniado, e que também é conhecida como radiculopatia ("nervo comprimido") ou cervicobraquialgia.



Bloquear a superfície articular facetária cervical. Neste procedimento, um medicamento é injetado com cortisona e anestésicos na cápsula da superfície articular facetária. As superfícies articulares facetárias de união encontram-se na parte posterior do pescoço e proporcionam estabilidade e permitem os movimentos. Essas articulações facetárias podem desenvolver alterações artrósicas que podem contribuir para a dor cervical.

Bloqueio de ramo medial ou ablação interna por radiofrequência.
Este procedimento é utilizado em alguns casos de dor crônica no pescoço.
Ele pode ser usado para o diagnóstico e para o tratamento de uma articulação potencialmente dolorosa.

Durante o procedimento diagnóstico, o nervo que abastece a superfície articular é bloqueado com uma anestesia local (por exemplo, xilocaína ou lidocaína).
O seu médico irá perguntar se a sua dor cervical diminuiu completamente. Se assim for, então o seu médico detectou a fonte de sua dor no pescoço.

O próximo passo é para bloquear a dor de forma mais permanente.
Isso é feito por lesão nervosa por radiofrequência, um processo muitas vezes chamado de ablação por radiofrequência.

Apesar de ser menos invasivas que a cirurgia, as injeções de esteróides são dadas apenas depois que seu médico faz uma avaliação completa. Antes de considerar essas injeções, discuta com seu médico os riscos e benefícios destes procedimentos para sua condição específica.

Tratamento Cirúrgico
É raro que as pessoas que têm apenas espondilose cervical e dor cervical sejam tratadas com cirurgia.
A cirurgia é reservada para pacientes com dor severa que não é aliviada por outro tratamento. Alguns pacientes com dor severa infelizmente são candidatos à cirurgia. Isto é devido à natureza da sua ampla osteoartrite, outros problemas médicos ou outras causas de dor.
Pessoas com sintomas neurológicos progressivos, tais como fraqueza, dormência ou quedas, são mais prováveis de que a cirurgia para ajudá-las.


Nenhum comentário:

Postar um comentário