Marcadores

acessos (3) Acidentes (3) Anatomia (4) Articulações (4) Artralgia (1) Artrite (11) Artroscopia (1) Artrose (3) Atrofia muscular espinhal (1) Aula (1) Avaliação (3) Backhand (1) bioimpressora (1) Bursite (1) cartilage (1) Cartilagem (2) Cervical (2) Ciclistas (1) Cifose de Scheuermann (1) cinesiologia (2) cirurgia (1) claudicante (1) CMT (1) Cobb (1) Coluna Lombar (3) Coluna Toráxica (1) Coluna Vertebral (4) Corpo Humano (7) Cotovelo (2) criança (1) Crônica (1) Curiosidades (4) Dedo em Gatilho (3) Degenerativa (1) Descobertas (1) Diabetes (3) diabética (2) Diagnóstico (11) Dicionário (1) Diconário (1) Dissecação (1) Distensão (1) Doença (13) Dor (6) Dupuytren (1) Edital (1) Elliot Krane (1) esclerose múltipla (1) Escoliose (2) Espondilite (2) Espondilolistese (2) Espondilose (2) Estiloide (1) Estudo (2) Eventos (2) exame clínico (6) Exame físico (11) Exosesqueleto (1) Fêmur (1) Fibromialgia (1) Finkelstein (1) fixadores (1) flexores (1) Forehand (1) Fratura (6) Gessado (1) Glasgow (1) Gota (1) Hérnia de Disco (1) impressão 3D (1) Inflamação (1) Joelho (12) knee (5) Lasègue (1) Lesões (11) Lombalgia (1) Lombar (2) Manual (1) mão (5) marcha anormal (1) Medicina (6) Médico-Paciente (2) Mellitus (1) membros inferiores (4) Membros Superiores (2) motor (1) Movimento (3) Mulher (1) Musculoesquelética (3) Músculos (2) Nervo (5) Neurológico (2) Neurônio (1) Ombro (4) órgãos (1) ortopedia (2) Ortopédico (3) Óssos (4) Osteoartrite (4) Osteocondrite dissecantes (1) Osteocondrose (1) osteomielite (2) Osteonecrose (1) osteoporose (2) Paralisia Cerebral (2) (7) pé torto congênito (1) Perna (3) Pérolas Clínicas (1) Perthes (1) Poliartrite (2) Postura médica (1) Prognóstico (1) prótese (3) Psoríase (1) Quadril (2) questões resolvidas (2) Recém Nascido (1) Relação (1) Reumáticas (3) Reumatóide (3) RN (1) SBOT (2) Schober (1) Sensitivas (1) Tecnologia (2) tendão (2) tendinite (3) Tenossinovite (1) TEOT (1) Testes (11) Tornozelo (2) Tratamento (4) trauma (2) Trendelenburg (1) Trigger Finger (1) Tumores (1) Túnel do Carpo (2) Ulnar (1) Úmero (1) vídeo (7) Vila Olímpica (1)

sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

VELHICE NÃO É SINÔNIMO DE DOENÇA!

Fonte: Thinkstock/VEJA


Velhice está deixando de ser sinônimo de doença. A melhora na expectativa de vida nos USA é um fato. Hoje quem tem 50 anos espera chegar aos 100 anos e com boa saúde. A doença crônica não é uma consequência inevitável da idade, mas, o resultado de escolhas de estilos de vida. As maneiras de se alcançar a longevidade estão ao nosso alcance. O segmento de pessoas centenárias cresce muito rapidamente nos USA. Hoje há 61000 pessoas com ou mais de 100 anos, o que representa aumento de 16 vezes em seis décadas. Há um século a probabilidade de sobreviver até os 100 anos era de 1:500 e atualmente é de 1:26. O que surpreende é que os idosos norte-americanos estão vivendo com boa saúde, com importante diminuição de suas incapacidades. Está sendo observada uma diminuição na incidência de hipertensão arterial, aterosclerose e demência entre pessoas com mais de 70 anos, sendo interessante observar uma tendência de melhora da saúde quando comparado com pessoas entre 50-70 anos. Hoje os grandes centros que estudam o envelhecimento estão mais preocupados com a qualidade de vida do idoso do que com aspectos de saúde....

A alimentação correta, as atividades físicas e o bom estado psicológico formam a base destas mudanças. O sal e a gordura animal são os grandes vilões da alimentação e devem ser evitados. A atividade física feita com regularidade produz inúmeros benefícios com destaque para as doenças cardiovasculares. A depressão, o stress, a ansiedade são muito prejudiciais para nossa saúde, repercutindo inclusive em nossa imunidade e devem ser combatidas. A utilização constante de nossa mente é fundamental, tão importante quanto os exercícios físicos.

No Brasil o crescimento da população de idosos está ocorrendo da mesma forma que nos Estados Unidos e Europa, mas de uma maneira mais rápida e, infelizmente, sem recursos. Os números do censo do IBGE (1996) mostram uma queda da taxa de crescimento de nossa população aonde o número de idosos tende a aumentar e o de jovens a diminuir. Hoje em dia a população de pessoas com mais de 65 anos de idade representa 5,4% da população brasileira ( estimada em 157 milhões) e no ano 2020 será em torno de 9%. O aumento da participação de idosos na população sem dúvida muda o perfil de nosso país, com a revisão de suas prioridades. E como ficará nossa força produtiva? O número de trabalhadores com relação a aposentados também está diminuindo, sendo atualmente 1,9:1.

O setor de Previdência Social deverá ser violentamente atingido, e o setor de Saúde, por sua vez está totalmente despreparado para esta realidade, pois ainda está voltado para as crianças e os jovens, sem falar na formação profissional do medico que ignora totalmente a terceira idade.


Nossa sociedade também está recebendo as modificações positivas que estão ocorrendo no 1º mundo e por isso nosso idoso deverá também ser mais saudável, como o norte-americano, mas devemos lutar para combater os aspectos negativos do 3º mundo, como a miséria, a desnutrição e doenças infecciosas. Medidas realistas devem nortear as mudanças de nossos sistemas de saúde e previdenciário. Este é um desafio que temos para enfrentar nos próximos anos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário