Marcadores

Anatomia (53) Antebraços (5) Articulações (22) Artigos (18) Artroscopia (8) Atletas (19) Bem-estar (3) Biologia (5) Casos clínicos (18) Ciência (17) Coluna (82) Cotovelo (19) Crônicas (11) Cultura (1) Curiosidades (2) Deficiência (6) Diabetes (7) Doenças da Coluna (38) Doenças do Joelho (13) Doenças do Ombro (17) Doenças do pé (17) Doenças do quadril (12) Doenças do Tornozelo (4) Dor (30) Dor Crônica (17) Ensino da Ortopedia (59) Epônimos (4) Eventos (5) Exame clínico (24) Exame Físico Ortopédico (103) Exercício físico (1) Fotos (2) Fraturas (31) Glossário Temático de Traumatologia e Ortopedia (20) História da Ortopedia (16) História da Semiologia (2) Idosos (12) Imagens (18) Infância (18) Instrumentos para o Exame Físico Ortopédico (8) Joelho (29) LER/DORT (12) Lesões (54) Links (6) Livro Eletrônico de Semiologia Ortopédica (26) Males associados (9) Mandíbula (2) Marcha (7) Materiais de apoio (26) Medicina e Tecnologia (15) Medula (11) Membros Inferiores (5) Membros superiores (15) Mini-cursos (1) Mobilidade (10) Mão (22) Músculos (1) O autor (1) Ombro (35) Osteoporose (4) Outros assuntos (77) Patologias da mão (8) Perguntas e Respostas (34) Perna (11) Postura (2) Prevenção de doenças (5) Procedimentos (22) Próteses (10) Punho (15) (29) Pérolas Clínicas (7) Quadril (27) Questões relacionadas (19) Radiologia (16) Reabilitação (2) Recém-nascido (2) Reumatologia (34) Saúde (24) Semiologia (19) Semiologia Musculoesquelética (183) Semiologia Neurológica (64) Semiologia Ortopédica Pericial (8) Tendões (4) Testes Especiais (25) Tornozelo (20) Traumatologia (47) Utilidade pública (16) Vídeos (38) Ética Médica na Ortopedia (3)

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Pensando Medicina

Artigo publicado em Zero Hora, 18 de outubro de 2012. Por Aloyzio Achutti - cardiologista

Cada vez mais se fala em saúde, longevidade, remédios, prevenção de doenças, diagnósticos, curas, aparelhos, custo-benefício, acesso a serviços e planos de saúde e hospitais. Fala-se pouco do operador de tudo isso. Só é percebido quando falha, ou não atende às fantasias da clientela. Muito do milagre, e pouco do santo...

De fato, por iniciativa dos próprios médicos, descobriram-se muitos meios, ciência, técnicas, instrumentos, profissões auxiliares, com os quais se impõe compartilhar os resultados. Tudo ficou mais complexo e mais caro. O médico é elemento essencial, embora permaneça o mais barato, e não seja o único responsável. Ficou evidente a necessidade da especialização, da organização institucional, dos mecanismos de financiamento, de infraestrutura, mas, na hora da aplicação de toda essa riqueza de recursos ao indivíduo, é imprescindível o papel do profissional da medicina.

As opções são várias e muitas vezes conflitantes. Os interesses são múltiplos e nem sempre voltados exclusivamente para o cliente. As causas das causas das doenças em geral não são tão ostensivas, estão entrelaçadas, e em cadeias que frequentemente terminam nas condições sociais e de vida, fora do alcance das ciências e das técnicas para as quais os médicos foram treinados.

Certamente, a prevenção é fundamental, mas não se pode comprometer cegamente o presente tendo em vista um futuro incerto. Uma das características de nosso tempo é a insegurança motivada pelo clima de terrorismo, e pela sua exploração mercadológica. É preciso não cair na tentação mesmo com “bons pretextos”, pois o estresse provocado pode ser tão nocivo quanto o mal que se pretende evitar. Embora 2,5 mil anos nos separem, vale pensar na recomendação platônica, de não proceder à cura enquanto o paciente não estiver convencido.

Para convencer, é preciso estabelecer vínculo, confiança, conhecimento mútuo, tempo e seguimento. Não dá para fazer medicina em escala industrial, nem só por aparelhos. Saúde exige perspectiva populacional e política para chegar à raiz dos problemas. Entretanto, não se pode esquecer que a população é formada de pessoas que precisam ser consideradas individualmente pelo médico, que pode ajudar a resolver o que se esconde na interface, pois é do relacionamento entre os indivíduos (e seu meio) que se estruturam nossas cidades e nossa sociedade humana.