Marcadores

Anatomia (53) Antebraços (5) Articulações (22) Artigos (18) Artroscopia (8) Atletas (19) Bem-estar (3) Biologia (5) Casos clínicos (18) Ciência (17) Coluna (82) Cotovelo (19) Crônicas (11) Cultura (1) Curiosidades (2) Deficiência (6) Diabetes (7) Doenças da Coluna (38) Doenças do Joelho (13) Doenças do Ombro (17) Doenças do pé (17) Doenças do quadril (12) Doenças do Tornozelo (4) Dor (30) Dor Crônica (17) Ensino da Ortopedia (59) Epônimos (4) Eventos (5) Exame clínico (24) Exame Físico Ortopédico (103) Exercício físico (1) Fotos (2) Fraturas (31) Glossário Temático de Traumatologia e Ortopedia (20) História da Ortopedia (16) História da Semiologia (2) Idosos (12) Imagens (18) Infância (18) Instrumentos para o Exame Físico Ortopédico (8) Joelho (29) LER/DORT (12) Lesões (54) Links (6) Livro Eletrônico de Semiologia Ortopédica (26) Males associados (9) Mandíbula (2) Marcha (7) Materiais de apoio (26) Medicina e Tecnologia (15) Medula (11) Membros Inferiores (5) Membros superiores (15) Mini-cursos (1) Mobilidade (10) Mão (22) Músculos (1) O autor (1) Ombro (35) Osteoporose (4) Outros assuntos (76) Patologias da mão (8) Perguntas e Respostas (34) Perna (11) Postura (2) Prevenção de doenças (5) Procedimentos (22) Próteses (10) Punho (15) (29) Pérolas Clínicas (7) Quadril (27) Questões relacionadas (19) Radiologia (16) Reabilitação (2) Recém-nascido (2) Reumatologia (34) Saúde (24) Semiologia (19) Semiologia Musculoesquelética (183) Semiologia Neurológica (64) Semiologia Ortopédica Pericial (8) Tendões (4) Testes Especiais (25) Tornozelo (20) Traumatologia (47) Utilidade pública (16) Vídeos (38) Ética Médica na Ortopedia (3)

terça-feira, 25 de dezembro de 2012

Testes musculoesqueléticos baseados em evidência - Parte VIII - Movimento da coluna lombar; hérnias de disco lombar

Definições:
Sensibilidade é a proporção dos indivíduos com a doença, que têm um teste positivo para a doença.
Especificidade é a proporção dos indivíduos sem a doença, que têm um teste negativo.

Confiabilidade, Descrição, Teste (% sensibilidade e especificidade)

Testes de movimento da coluna lombar; Testes para Hérnias de Disco Lombar

Teste de Schober

É uma técnica para verificar a ocorrência de flexão na coluna vertebral que consiste em medir com fita métrica o aumento aparente do comprimento da coluna entre a flexão e a extensão.

Indisponível

Teste de Schober modificado

Este método constitui, na realidade, apenas uma maneira de quantificar a flexão lombossacral e a mudança do contorno vertebral ao observar a inversão da lordose lombar.
Com o paciente na posição ortostática é delimitado um espaço de 15 centímetros. Marca-se um ponto na pele com lápis dermográfico sobre o processo espinhoso de L5. A seguir marca-se outro ponto 10 centímetros acima de L5 , e mais outro ponto 5 centímetros abaixo de L5. Assim em condições normais, o comprimento da face dorsal da coluna deve aumentar aparentemente em cerca de 6 centímetros. 15cm + 6 cm = 21 cm na flexão máxima.
O teste é considerado positivo se não ocorrer aumento de pelo menos 6 centímetros na flexão máxima, por exemplo, 15cm + 5 cm = 20 cm na flexão máxima.
Uma excursão inferior a essa quantidade sugere a presença de espondilite ancilosante, sobretudo na presença de deformidade cifótica.

Especificidade: 95%
Sensibilidade: 25%

Testes para Hérnia de Disco Lombar
Teste de elevação da perna reta / teste de elevação do membro inferior estendido / straight-leg raising test

Teste provocativo cuja finalidade é exacerbar os sintomas de radiculopatia lombar inferior ao flexionar passivamente o quadril do pacviente com o mjoelho estendido.
Constitui o teste de tensão mais bem conhecido para a coluna lombar. O teste deve ser executado com o paciente em decúbito dorsal confortável, com a cabeça e a pelve em nível plano. Enquanto o paciente mantém o joelho em extensão total, o examinador eleva lentamente a perna da mesa de exame. O membro inferior é progressivamente elevado até atingir a flexão máxima do quadril ou até que o paciente peça ao examinador interromper o teste devido ao aparecimento de dor.
Observa-se o ângulo formado entre o membro inferior e a mesa de exame no ponto de elevação máxima, e se repete o procedimento com o membro oposto.
No paciente normal, deve ser possível uma elevação do membro inferior estendido de 70 a 90 graus, podendo esta elevação ser acompanhada de sensação de aperto na face posterior da coxa.
Na presença de ciática, o ângulo de flexão do quadril apresenta-se reduzido, e o paciente queixa-se de dor em pontada que se irradia pela face posterior da coxa e, com frequência, pela perna, ao longo da distribuição do nervo isquiático.
A elevação do membro inferior estendido causa um estiramento de 2 a 6 mm das raízes nervosas L5 e S1, porém exerce pouca tensão sobre as raízes nervosas lombares mais proximais. Portanto, um teste positivo de elevação da perna reta sugere lesão nervosa da raiz L5 ou S1.

Sensibilidade :72-97%
Especificidade: 11-66%

Teste Cruzado de Elevação do Membro Inferior Estendido

É uma variação do teste de elevação do membro inferior estendido, realizado no lado oposto da radiculopatia lombar inferior suspeita; considerado altamente específico para hérnia de disco lombar L4-L5 ou L5-S1.
O teste é positivo quando o ângulo está entre 30 e 70 graus e a dor em pontada se irradia pela face posterior da coxa e, com frequência, pela perna, ao longo da distribuição do nervo isquiático.

Sensibilidade: 23-29%
Especificidade: 88-100%

Teste de Lasègue

Com o paciente em decúbito dorsal, o examinador flexiona o quadril em 90 graus com o joelho em flexão de 90 graus. Mantendo o quadril flexionado, então estende o joelho. 
O teste é positivo para dor radicular se não houve dor com o quadril e joelho fletido e se ocorrer dor com o quadril fletido e o joelho estendido.

Sensibilidade: 95% 

Sinal da Corda de arco / Bowstring sign

Teste confirmatório para o teste de elevação do membro inferior estendido, em que os sintomas do paciente são aliviados ao flexionar o joelho para relaxar a tensão sobre as raízes nervosas e em seguida, reproduzidas ao exercer compressão direta sobre o nervo isquiático, na fossa poplítea.
O teste é positivo quando a compressão do nervo ciático reproduz dor em pontada que se irradia pela face posterior da coxa e, com frequência, pela perna, ao longo da distribuição do nervo isquiático.

Sensibilidade: 71%

Teste da postura encurvada / Slump test 

Séries de manobras que têm por objetivo demonstrar a presença de tensão sobre as raízes nervosas lombares inferiores, incorporando elementos do teste de elevação do membro inferior estendido e do teste de Lasegue; efetuado com o paciente na posição sentada.
O teste da postura encurvada consiste numa série progressiva de manobras destinadas a submeter as raízes nervosas isquiáticas a tensão crescente.

Indisponível

Teste de dorsiflexão do tornozelo (teste de Braggard) 

Constitui uma progressão do teste de elevação do membro inferior estendido. O examinador efetua o teste de elevação do membro inferior estendido, detendo-se no momento em que o paciente se queixar de reprodução da dor isquiática típica. Enquanto mantém o grau de flexão do quadril em que foi provocada a dor isquiática, o examinador efetua uma dorsoflexão passiva do pé da perna elevada. Essa manobra deforma ainda mais o nervo isquiático. Se a dor radicular do paciente for exacerbada, o diagnóstico de ciática (radiculopatia) é reforçado.

Sensibilidade: 78-94%

Teste de estiramento do nervo femoral 

Teste provocativo cujo objetivo é demonstrar a compressão das raízes nervosas lombares altas (L2, L3 ou L4) ao estender passivamente o quadril do paciente em decúbito ventral e ao flexionar o joelho no lado acometido. Dor é produzida na face anterior e / ou posterior da coxa.
Para realizar o teste de estiramento do nervo femoral, o paciente deve ficar em decúbito ventral na mesa de exame, com o joelho flexionado a pelo menos 90 graus. A seguir, o examinador estende passivamente o quadril do paciente ao elevar a coxa da mesa de exame.
No paciente normal, essa manobra só provoca uma leve sensação de tensão na face anterior da coxa. Quando ocorre compressão de uma das raízes lombares altas que contribuem para formar o nervo femoral, essa manobra reproduz do dor do paciente na face anterior da coxa.

Sensibilidade: 84-95%


Fonte: Adaptado de Malanga GA, SF Nadler, editores; Exame físico musculo-esquelético: uma abordagem baseada em evidências, Filadélfia, 2006, Mosby in Braddom,RL; Chan,L; Kowalske,KJ; Physical Medicine and Rehabilitation 4th Ed. – Elsevier Saunders, 2011.

Revisão e adaptação: Fernandes, JHM; Semiologia Ortopédica para Médico Assistente e Perito Médico, 2012 (livro eletrônico ilustrado on line). 


Confira também:

Testes musculoesqueléticos baseados em evidência - Parte I - Testes para Coluna Cervical
Testes musculoesqueléticos baseados em evidência - Parte II - Testes para Desfiladeiro Torácico
Testes musculoesqueléticos baseados em evidência - Parte III - Manguito rotador /Testes para Supraespinhoso
Testes musculoesqueléticos baseados em evidência - Parte IV - Testes para estabilidade do ombro
Testes musculoesqueléticos baseados em evidência - Parte V - Patologias Escapular e Labral e Acromioclavicular
Testes musculoesqueléticos baseados em evidência - Parte VII - Teste para os Ligamentos Carpais, Punho e Túnel do Carpo
Testes musculoesqueléticos baseados em evidência - Parte VIII - Movimento da coluna lombar; hérnias de disco lombar
Testes musculoesqueléticos baseados em evidência - Parte IX - Patologia Sacroilíaca e do Quadril

Testes musculoesqueléticos baseados em evidência - Parte X - Testes para o Joelho
Testes musculoesqueléticos baseados em evidência - Parte XI - Testes para o Tornozelo