Marcadores

Anatomia (51) Antebraços (5) Articulações (22) Artigos (18) Artroscopia (8) Atletas (19) Bem-estar (3) Biologia (5) Casos clínicos (18) Ciência (17) Coluna (82) Cotovelo (19) Crônicas (11) Cultura (1) Curiosidades (2) Deficiência (6) Diabetes (7) Doenças da Coluna (38) Doenças do Joelho (13) Doenças do Ombro (17) Doenças do pé (17) Doenças do quadril (12) Doenças do Tornozelo (4) Dor (30) Dor Crônica (17) Ensino da Ortopedia (59) Epônimos (4) Eventos (5) Exame clínico (24) Exame Físico Ortopédico (103) Exercício físico (1) Fotos (2) Fraturas (31) Glossário Temático de Traumatologia e Ortopedia (20) História da Ortopedia (16) História da Semiologia (2) Idosos (12) Imagens (18) Infância (18) Instrumentos para o Exame Físico Ortopédico (8) Joelho (29) LER/DORT (12) Lesões (54) Links (6) Livro Eletrônico de Semiologia Ortopédica (26) Males associados (9) Mandíbula (2) Marcha (7) Materiais de apoio (26) Medicina e Tecnologia (15) Medula (11) Membros Inferiores (5) Membros superiores (15) Mini-cursos (1) Mobilidade (10) Mão (21) Músculos (1) O autor (1) Ombro (35) Osteoporose (4) Outros assuntos (75) Patologias da mão (8) Perguntas e Respostas (34) Perna (11) Postura (2) Prevenção de doenças (5) Procedimentos (22) Próteses (10) Punho (15) (29) Pérolas Clínicas (7) Quadril (27) Questões relacionadas (19) Radiologia (16) Reabilitação (2) Recém-nascido (2) Reumatologia (33) Saúde (23) Semiologia (19) Semiologia Musculoesquelética (181) Semiologia Neurológica (64) Semiologia Ortopédica Pericial (8) Tendões (4) Testes Especiais (25) Tornozelo (20) Traumatologia (47) Utilidade pública (15) Vídeos (38) Ética Médica na Ortopedia (3)

quinta-feira, 26 de julho de 2012

Procedimentos especiais para avaliação do sistema musculoesquelético

    
Existem muitos testes especiais disponíveis para cada articulação, para determinar se um tipo particular de doença, ou condição ou lesão está presente.
Algumas vezes, eles são denominados testes clínicos acessórios, provocativos, de movimento, de palpação ou estruturais.
Apesar de sugerirem fortemente uma doença ou uma determinada condição quando são positivos, estes testes não descartam necessariamente a doença ou condição quando seus resultados são negativos.
Os achados dos testes dependem principalmente da perícia e capacidade do examinador e, especialmente, que o paciente relaxe enquanto o teste estiver sendo realizado.
Por essa razão, o teste pode ser realizado de modo mais acurado logo após a lesão (durante o período de choque tissular - 5 a 10 minutos após a lesão), sob anestesia ou em condições crônicas.
A maioria dos testes especiais não teve sua confiabilidade testada e, algumas vezes, a validade dos mesmos pode ser questionada.
Cada examinador tende a utilizar os testes que considera clinicamente eficazes.
Em nenhuma circunstância testes especiais devem ser utilizados isoladamente, nem é necessário o conhecimento de todos eles.
Eles devem ser vistos como parte integrante de um exame total.
Eles devem ser considerados testes destinados a confirmar uma hipótese diagnóstica, ao estabelecimento do diagnóstico diferencial, à diferenciação entre estruturas, à compreensão de sinais incomuns ou ao esclarecimento de sinais e sintomas difíceis.
Para cada exame articular (grande articulação: coluna, ombro, cotovelo, punho, mão, sacroilíaca, quadril, joelho, tornozelo e pé) são mencionados testes específicos para condições específicas.
Muitos dos testes são muito semelhantes e apresentam resultados similares.
A escolha de quais serão utilizados depende de quais forem os melhores resultados para o examinador.

FINALIDADES DOS TESTES ESPECIAIS

* Para a confirmação de uma hipótese diagnóstica.
* Para o estabelecimento do diagnóstico diferencial.
* Para diferenciar estruturas.
* Para compreender sinais incomuns.
* Para esclarecer sinais e sintomas difíceis.