Marcadores

Anatomia (56) Antebraços (8) Articulações (24) Artigos (18) Artroscopia (8) Atletas (22) Bem-estar (3) Biologia (5) Casos clínicos (18) Ciência (18) Coluna (85) Cotovelo (22) Crônicas (11) Cultura (1) Curiosidades (2) Deficiência (6) Diabetes (7) Doenças da Coluna (40) Doenças do Joelho (14) Doenças do Ombro (18) Doenças do pé (19) Doenças do quadril (12) Doenças do Tornozelo (4) Dor (32) Dor Crônica (17) Ensino da Ortopedia (73) Epônimos (4) Eventos (5) Exame clínico (24) Exame Físico Ortopédico (110) Exercício físico (4) Fotos (3) Fraturas (32) Glossário Temático de Traumatologia e Ortopedia (20) História da Ortopedia (16) História da Semiologia (2) Idosos (12) Imagens (18) Infância (18) Instrumentos para o Exame Físico Ortopédico (8) Joelho (32) LER/DORT (13) Lesões (61) Links (6) Livro Eletrônico de Semiologia Ortopédica (26) Males associados (9) Mandíbula (2) Marcha (7) Materiais de apoio (28) Medicina e Tecnologia (16) Medula (11) Membros Inferiores (5) Membros superiores (15) Mini-cursos (1) Mobilidade (11) Mão (25) Músculos (5) O autor (2) Ombro (39) Osteoporose (4) Outros assuntos (83) Patologias da mão (8) Perguntas e Respostas (37) Perna (11) Postura (2) Prevenção de doenças (5) Procedimentos (22) Próteses (10) Punho (17) (35) Pérolas Clínicas (7) Quadril (29) Questões relacionadas (19) Radiologia (16) Reabilitação (2) Recém-nascido (2) Reumatologia (36) Saúde (30) Semiologia (19) Semiologia Musculoesquelética (219) Semiologia Neurológica (68) Semiologia Ortopédica Pericial (8) Tendões (6) Testes Especiais (28) Tornozelo (25) Traumatologia (50) Utilidade pública (16) Vídeos (38) Ética Médica na Ortopedia (3)

segunda-feira, 27 de maio de 2013

Esclerótomos

O esqueleto humano é um endoesqueleto, colocado entre os tecidos moles do corpo capaz de crescer, se adaptar e se reparar. Ele desempenha várias funções: suporte, desenvolvimento, proteção, estoque de minerais e formação de célula no sangue (hematopoiese).

Constitui-se de 206 ossos, sendo classificado de acordo com sua forma em: ossos longos, curtos, planos e irregulares.

Um esclerótomo é uma área de osso ou fáscia inervada por uma única raiz nervosa.
Assim como os dermátomos, os esclerótomos podem apresentar uma grande variabilidade entre os indivíduos.
É a natureza complexa dos dermátomos, miótomos e esclerótomos supridos pela raiz nervosa que pode acarretar a dor referida, a qual é a dor sentida em uma parte do corpo que geralmente se encontra a uma distância considerável dos tecidos que lhe deram origem.


No embrião, as vértebras são formadas de maneira intersegmentar, a partir de células chamadas esclerótomos, que se originam de somitos adjacentes.
Cada vértebra é derivada das partes craniais dos dois somitos abaixo, um a cada lado, e as partes caudais dos dois somitos acima. Os nervos espinais desenvolvem-se de maneira segmentar e passam entre as vértebras em formação.




Um esclerótomo é uma área de osso ou fáscia inervada por uma única raiz nervosa. Assim como os dermátomos, os esclerótomos podem apresentar uma grande variabilidade entre os indivíduos.




É a natureza complexa dos dermátomos, miótomos e esclerótomos supridos pela mesma raiz nervosa que pode acarretar a dor referida, a qual é a dor sentida em uma parte do corpo que geralmente se encontra a uma distância considerável dos tecidos que lhe deram origem.

A dor referida é explicada como um erro de percepção por parte do cérebro.

Usualmente, a dor pode ser referida no miótomo, dermátomo ou esclerótomo de qualquer tecido somático ou visceral inervado por uma raiz nervosa, mas, estranhamente, ela algumas vezes não é referida de acordo com um padrão específico.

A dor referida ocorre quando informações sensitivas de uma determinada região são conduzidas à medula espinal, mas são interpretadas pelo sistema nervoso central como provenientes de outra região inervada pelo mesmo nível medular.

Geralmente, isto ocorre quando as informações dolorosas partem de certa região, como o intestino, que apresenta uma baixa quantidade de terminações sensitivas. Estas aferências convergem para os neurônios no mesmo nível medular que recebem informações da pele, que apresenta uma área com alta quantidade de terminações sensitivas.

Como resultado, a dor da região com poucas aferências é interpretada como proveniente da região com uma quantidade de aferências normalmente alta.

A dor é mais frequentemente referida de uma região inervada pela parte visceral do sistema nervoso em outra região inervada, no mesmo nível medular, pela parte somática do sistema nervoso.

A dor também pode ser referida de uma região somática para outra. Por exemplo, a irritação do peritônio na superfície inferior do diafragma, que é inervada pelo nervo frênico, pode ser referida à pele do ombro, que é inervada por outros nervos somáticos que se originam no mesmo nível medular.

A dor referida é comum em problemas associados ao sistema musculoesquelético.



Créditos das Imagens:
1) Princípios de Anatomia e Fisiologia do Seeley- 2ª ed., Philip Tate The McGraw-Hill Companies,Inc. 
Sistema Nervoso Central e Periférico – Capítulo 11
2) Elsevier Drake et al: Gray’s Anatomy for Students. www.studentconsult.com 
3) Atlas de Neuroanatomy and Neurophysiology – Special Edition – Netter Collection for Medical Illustration
4) Avaliação Musculoesquelética – Magee – Editora Manole.

Recomendo:
Fernandes, JHM – 2012: E-Book ilustrado de Semiologia Ortopédica – Módulo 09 - Coluna Cervical e Módulo 11 - Coluna Torácica e Lombar

Veja também:
Miótomos
Dermátomos